A importância da proteína na alimentação

A importância da proteína na alimentação

A proteína é um nutriente essencial na alimentação de todo ser humano e em todas as fases da vida, pois participa de diversas funções do organismo, como:1

  • Manutenção de diversos tecidos do corpo, como os músculos, os ossos, os tendões e as articulações;
  • Fortalecimento do sistema imunológico, com efeito protetor contra as infecções e os processos inflamatórios;
  • Reações bioquímicas vitais para o metabolismo;
  • Formação de hormônios.

Para falar mais de proteínas, selecionamos algumas perguntas e respostas sobre este nutriente para entendermos porque ele é tão importante para as pessoas em tratamento oncológico.

Quais alimentos têm proteínas? 2

As proteínas são encontradas em alimentos de origem animal e vegetal. São eles:

Fontes de proteína animal

  • Carnes: Aprox. 26g de proteínas a cada 100g
  • Ovos: 8g de proteínas por unidade
  • Leite e derivados: Aprox. 8g de proteínas por copo ou fatia de queijo

Fontes de proteína vegetal

  • Feijão, Lentilha e Grão-de-bico: 5,1g de proteína por concha
  • Nozes: Aprox 15g de proteínas por 100g

Proteína é tudo igual? 3,4

Não. As proteínas não são todas iguais. Algumas carregam aminoácidos essenciais (que o organismo não produz e precisam vir da dieta) e outras, somente aminoácidos não essenciais (que o nosso corpo é capaz de produzir sozinho).

A Leucina destaca-se entre os aminoácidos essenciais e tem um papel fundamental para:

  • Construção e manutenção dos músculos;
  • Fornecimento de energia;
  • Melhora no processo de cicatrização;
  • Melhora na composição da proteína muscular em idosos e no tratamento de doenças que causam a perda de massa muscular.

O que acontece quando faltam proteínas na alimentação? 1,5-7

As proteínas devem ser consumidas todos os dias em quantidades específicas, considerando peso/ idade e condição de saúde (se há presença de doenças). Quando faltam proteínas na alimentação, o organismo enfraquece e fica deficiente em diversas funções, o que pode trazer consequências como:

  • Perda de massa muscular – causa perda de força e deixa o corpo mais frágil e sujeito a quedas, lesões e dificuldades para praticar atividades físicas;
  • Perda de massa óssea – aumenta os riscos de fraturas;
  • Desnutrição – causa fraqueza e abre caminho para diversas doenças;
  • Baixa imunidade – diminuição das defesas do organismo contra vírus e bactérias;
  • Pior resposta a medicamentos e tratamentos médicos, por exemplo, o oncológico.

Qual a importância da proteína durante um tratamento oncológico? 8-14

Quando uma pessoa está em tratamento oncológico, sofre diversas alterações no seu metabolismo, tanto pela presença do tumor, quanto pelo próprio tratamento como: quimioterapia, radioterapia, imunoterapia, hormonioterapia e até mesmo cirurgias. Esses fatores aumentam o gasto energético e a depleção de tecidos, bem como a necessidade de energia e nutrientes para o organismo, sendo fundamental garantir uma alimentação equilibrada e personalizada, levando em conta todos os efeitos colaterais, para fornecer a nutrição adequada, considerando uma quantidade maior de proteínas do que a recomendação normal, o que traz benefícios como:

  • Diminuição do risco de infecção;
  • Redução dos riscos de agravamento da doença;
  • Melhora da cicatrização nos casos de cirurgia;
  • Aumento do sistema imunológico;
  • Manutenção da massa muscular;
  • Diminuição dos riscos de desnutrição.

Quando devemos suplementar a proteína? 1,12

As proteínas estão presentes em diversos alimentos e, com a orientação de um nutricionista, a pessoa consegue ingerir a quantidade recomendada somente pela alimentação.

No entanto, no caso de necessidades aumentadas, muitas vezes não se consegue alcançar essas quantidades somente por meio da alimentação convencional, como no tratamento oncológico, por exemplo, onde fatores como a perda de apetite, má digestão e dificuldades em se alimentar aumentam o problema significativamente. Nesse caso, podem ser utilizados suplementos nutricionais como forma de oferecer os nutrientes e calorias que o corpo precisa, melhorando perceptivelmente a saúde e a qualidade de vida.

Referências

  1. Verotti CCG, Waitzberg DL. Braspen recomenda: indicadores de qualidade em terapia nutricional. BRASPEN J. 2019;34(Supl 1):33-8.
  2. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos - TACO 4 Edição Ampliada e Revisada 2011.
  3. Rogero MM, Tirapegui J. Aspectos atuais sobre aminoácidos de cadeia ramificada e exercício físico. Rev Bras Cienc Farm. 2008;44(4):563-75.
  4. Shimomura Y, et al. Nutraceutical effects of branched-chain amino acids on skeletal muscle. J Nutr. 2006;136(2):529S-532S.
  5. Fisberg R, et al. Ingestão inadequada de nutrientes na população de idosos do Brasil: Inquérito Nacional de Alimentação 2008-2009. Revista de Saúde Pública. 2013;47(1):222S-30S.
  6. Abreu W, et al. Inadequação no consumo alimentar e fatores interferentes na ingestão energética de idosos matriculados no programa municipal da terceira idade de Viçosa (MG). Revista Baiana de Saúde Pública. 2008;32(2):190-202.
  7. Coelho-Júnior HJ, et al. Low Protein Intake Is Associated with Frailty in Older Adults: A Systematic Review and Meta-Analysis of Observational Studies. Nutrients. 2018;10(9):1334.
  8. Marín Caro MM, et al. Nutritional intervention and quality of life in adult oncology patients. Clin Nutr. 2007;26(3):289-301.
  9. Port GZ. Avaliação nutricional bioquímica de pacientes portadores de cirrose com carcinoma hepatocelular [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre; 2012.
  10. Pereira PL, Nunes A, Duarte S. Qualidade de vida e consumo alimentar de pacientes oncológicos. Rev Bras Cancerol. 2015;61(3):243-51.
  11. Smiderle C, Gallon C. Desnutrição em oncologia: revisão de literatura. Rev Bras Nutr Clin. 2012;27(4):250-6.
  12. Arends J, et al. ESPEN guidelines on nutrition in cancer patients. Clin Nutr. 2017;36(1):11-48.
  13. McClave SA, et al. Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (ASPEN). JPEN. 2016;40(2):159-211.
  14. Hoffer LJ, Bistrian BR. Appropriate protein provision in critical illness: a systematic and narrative review. Am J Clin Nutr. 2012;96(3):591-600.

Veja também

A importância da alimentação equilibrada

A importância da alimentação equilibrada

saiba mais

Nutrição e Câncer

Nutrição e Câncer

saiba mais